Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras

Vista normal Vista MARC Vista ISBD

A filosofia na alcova / Marquês de Sade ; trad. Manuel João Gomes.

Autor principal: Sade, Marquês de, 1740-1814.Autor secundário: Gomes, Manuel JoãoIdioma: por.Publicação: Lisboa : Afrodite, [199?]Descrição: 359,[4] p. : il. ; 20 cm.Resumo: “De todas as obras clandestinas do marquês de Sade, A Filosofia na Alcova é, de longe, a menos cruel: com exceção das últimas páginas, onde assistimos ao suplício da Sra. De Mistival, a emoção erótica experimentada pelo leitor jamais se transforma em arrepio, como sucede com os horríveis quadros da Nova Justina e de Julieta. Abundantes estratos de diálogos, a despeito de algumas incitações eminentemente corruptoras, poderiam mesmo, sem muito escândalo, ser representadas em cena. Estamos a recordar, e com que encanto, as cavatinas daquele Mozart falado, dito pela deliciosa voz de Simone Valère, aquando da nossa conferência sobre o marquês, na Primavera de 1948.”.Audiência: ADULTO.Assunto - Nome comum: Literatura erótica estrangeira Lista(s) em que este item aparece: Livros que Abril Libertou
Etiquetas desta biblioteca: Sem etiquetas desta biblioteca para este título. Iniciar sessão para acrescentar etiquetas.
    classificação média: 0.0 (0 votos)
Tipo de documento Localização Cota Estado Data de devolução Código de barras Reservas
Texto Texto Biblioteca Municipal de Oeiras
Depósito Oeiras
DEP 24325 (Ver prateleira) Disponível 010107025
Total de reservas: 0

Tít. original: La filosophie dans le boudoir

“De todas as obras clandestinas do marquês de Sade, A Filosofia na Alcova é, de longe, a menos cruel: com exceção das últimas páginas, onde assistimos ao suplício da Sra. De Mistival, a emoção erótica experimentada pelo leitor jamais se transforma em arrepio, como sucede com os horríveis quadros da Nova Justina e de Julieta. Abundantes estratos de diálogos, a despeito de algumas incitações eminentemente corruptoras, poderiam mesmo, sem muito escândalo, ser representadas em cena. Estamos a recordar, e com que encanto, as cavatinas daquele Mozart falado, dito pela deliciosa voz de Simone Valère, aquando da nossa conferência sobre o marquês, na Primavera de 1948.”

ADULTO

Não há comentários disponíveis sobre este título.

Entre na sua conta para publicar um comentário.

Clicar numa imagem para a ver no visualizador de imagens

© 2010-2018 Município de Oeiras

Certificação de Qualidade Câmara Municipal de Oeiras